Série de entrevistas Iniciação Científica Newton 20 anos: Maria Luiza Matta

28 de Março de 2019, 14h35

S%c3%a9rie de entrevistas inicia%c3%a7%c3%a3o cient%c3%adfica newton 20 anos maria luiza matta

A quarta personagem da série "Iniciação Científica Newton 20 anos" é dentista, doutora em odontopediatria e trabalha nessa área há 22 anos. Atualmente, ela trabalha com três linhas de pesquisa: epidemiologia das doenças bucais na infância, qualidade de vida relacionada a saúde bucal e laserterapia em odontopediatria. 

Essa é a professora Maria Luiza Matta, professora de Odontologia na Newton. Confira a entrevista dela a seguir:

 

Qual a sua formação acadêmica e área de atuação?
Sou dentista. Doutora em odontopediatria. Trabalho com odontopediatria há 22 anos no consultório e ministrando aulas para Graduação e Pós-Graduação.

Há quanto tempo você está na Newton como professora? E envolvida em pesquisa?
Estou há 14 anos na Newton e sempre estive envolvida em pesquisa. Na graduação, há diversas formas de se fazer pesquisa, seja com os TCCs, iniciação científica e projetos de pesquisas para participação em congressos. O professor também se envolve em pesquisa constantemente para sua qualificação profissional. A pesquisa é a busca de respostas para as inquietações resultantes da prática profissional ou se testar alguma hipótese para a melhoria do desempenho profissional.

Você sempre se interessou pela área de pesquisa? Quando foi o “start”?
Sim, sempre fui questionadora. Ainda na graduação, quando percebi diferentes abordagens para um mesmo caso clínico eu me perguntei: existe diferença entre eles? Qual o impacto da aplicação das diferentes condutas clínicas para diferentes grupos populacionais? Aí, me apaixonei pela pesquisa e quis ser professora. Com o tempo, aprendi que todo professor deve ser também pesquisador.

Qual pesquisa você está desenvolvendo no momento? Existe alguma que considera mais relevante ou que tenha trazido mais realização para você?
Trabalho com três linhas de pesquisa denominadas: epidemiologia das doenças bucais na infância, qualidade de vida relacionada à saúde bucal e laserterapia em odontopediatria. Também sou coordenadora do Comitê de Ética em Pesquisa da Newton.

Qual a sua perspectiva para a ciência no futuro? 
Acho que as pesquisas estão sendo cada vez mais aplicadas no dia a dia da sociedade, nas diversas áreas, como transporte, construção civil, medicamentos, equipamentos hospitalares, proteção ambiental, qualidade de vida e justiça social. Essa expansão está sendo acelerada com a globalização. As pesquisas multicêntricas estão tendo um grande avanço por meio do desenvolvimento de parcerias com diferentes centros de pesquisa em todo o mundo, rompendo as barreiras físicas e culturais.

Deixe uma mensagem para as mulheres que querem seguir esses passos.
Sensibilidade e fé são características explícitas em mulheres. Acredito que são características que se somam ao desenvolvimento da sociedade e contribuem muito para nós mulheres alcançarmos os lugares mais altos da inteligência. Não em disputa com homens, mas em conjunto. Todos somos igualmente capazes!

 

 

Serviços Online

fechar