Mercado de beleza é aposta para 2019

04 de Fevereiro de 2019, 12h52

Mercado de beleza %c3%a9 aposta para 2019

Apesar da turbulência econômica enfrentada nos últimos anos, a compra de produtos de beleza continua crescendo no Brasil. O chamado “efeito batom” coloca o país no terceiro lugar do mercado mundial de cosméticos, atrás apenas de Estados Unidos e Japão. Segundo a ABIHPEC – Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos, o bom momento continuará em 2019 com uma alta de 1,5% a 2% ante o ano passado, quando o setor movimentou R$ 47,5 bilhões.

De acordo com Izabela Teixeira Dias, coordenadora do curso de Estética e Cosmética da Newton, um dos motivos para o aumento da procura por produtos e procedimentos estéticos é o envelhecimento da população. Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontam que, até 2060, o percentual de pessoas com mais de 65 anos passará dos atuais 9,2% para 25,5 %. Um em cada quatro brasileiros será idoso. “Com a evolução das tecnologias, a expectativa de vida no Brasil aumentou e consequentemente há um processo de envelhecimento da população. Essas pessoas levam uma vida saudável e querem que o seu exterior corresponda ao interior. É natural que busquem mais procedimentos para alcançar esse desejo", explica.

Para Dias, o aumento da participação da mulher no mercado de trabalho também pode ser visto como motivo para o crescimento da indústria cosmética. O índice passou de 59,1%, em 2016, para 59,9% em 2017. O dado faz parte de um estudo produzido pela Secretaria de Trabalho, Desenvolvimento Social, Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos e pela Companhia de Planejamento do DF (Codeplan), em parceria com o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese).

Mas não fique pensando que beleza é somente coisa de mulher. O segmento masculino praticamente dobrou nos últimos cinco anos e o faturamento de cosméticos direcionados para este público aumentou 30%, segundo dados da Euromonitor Internacional. Por conta desse crescimento, as empresas perceberam a necessidade de se atualizarem e investirem em tecnologia.

A coordenadora da Newton adianta algumas das tendências para o ano de 2019. "Vejo um movimento dos pacientes em buscar procedimentos menos agressivos e com menor tempo de repouso. Para isso, recomendo uso de laser e led para a recuperação da pele, dando energia para as células", conta.

Bom momento para dar início a uma carreira no mercado de beleza

O aumento do consumo de produtos de beleza faz girar toda uma cadeia de serviços dentro do setor. Por isso, este pode ser o momento ideal para você dar início à carreira na área. "Eu acredito que o primeiro passo para trilhar um caminho na área de beleza é buscar uma formação em uma instituição de ensino renomada, que siga o padrão exigido pelo Ministério da Educação", diz Izabela.

A profissão de esteticista foi reconhecida e regulamentada em abril do ano passado com a lei aprovada pela Câmara dos Deputados e sancionada pela Presidência da República.  A Newton oferece o curso tecnólogo de Estética e Cosmética no campus Silva Lobo e possui conceito 4 do MEC, sendo considerado um dos melhores de Belo Horizonte. Durante três anos, as aulas práticas acontecem em laboratórios modernos e, entre as disciplinas, estão anatomia humana, massoterapia e imunologia. Além disso, os alunos aprendem técnicas gerenciais e marketing em serviços da área e fazem estágio na Clínica Escola, onde atendem a população que, por valor simbólico, tem acesso aos vários tratamentos estéticos corporais, faciais e de terapia capilar.

A instituição também oferece as especializações em Consultoria de Imagem Pessoal e Tricologia. O profissional consultor de imagem pessoal irá propiciar um trabalho personalizado e exclusivo, promovendo uma melhor imagem transmitida em círculos sociais, ambiente de trabalho e nas relações interpessoais. Ou seja, além de mudar a maneira como o cliente se vê, muda também a forma como as pessoas o enxergam. Além de um resultado estético satisfatório, estudos comprovam que uma pessoa realizada com sua aparência desenvolve melhor aspectos como segurança e autoconfiança.

Já o tricologista é responsável pelos cuidados relacionados com a haste capilar e couro cabeludo, a partir de recursos fotoeletroterápicos e cuidados cosméticos com atuação terapêutica, visto que no Brasil é uma área crescente e em desenvolvimento. "O bulbo capilar tem suas especificidades e demanda um profissional especializado. Ele precisa estar atento, por exemplo, a problemas de outras partes do corpo que acabam afetando a região, como o estresse que pode ocasionar queda de cabelo", conclui Dias.

 

Receba novidades sobre Carreiras

Serviços Online

fechar